Sobre a Revista

Foco e Escopo

Psicologia Clínica é uma publicação do Departamento de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.Destina-se a publicação quadrimestral de trabalhos científicos originais nas áreas de Psicanálise: clínica e cultura; Linguagem e construção da subjetividade; Família e casal: estudos psicossociais em psicoterapia; Clínica e neurociência. A revista publica estudos teóricos, revisões bibliográficas, resultados de pesquisas empíricas, relatos de experiência profissional e resenhas de obras publicadas recentemente, além de contar ocasionalmente com uma seção especial na qual se publicam entrevistas com pesquisadores de renome e/ou traduções de textos clássicos da área. Apesar de o periódico ser temático, estamos gradualmente abrindo espaço editorial para artigos em áreas adjacentes à psicologia clínica, em um esforço para considerar o atual movimento de diversificação e de abertura de novas fronteiras para os pesquisadores e profissionais da área clínica.

 

Processo de Avaliação pelos Pares

Os manuscritos recebidos são inicialmente apreciados pelo Conselho Editorial. Se estiverem de acordo com as Normas e forem considerados como potencialmente publicáveis pela revista Psicologia Clínica, eles serão encaminhados para Consultoresad hoc, que são escolhidos pelos Editores entre pesquisadores de reconhecida competência na área. Os Consultores não terão acesso à identificação dos autores e nem os autores à identificação dos consultores. Após análise cega do manuscrito, os Consultores ad hoc recomendam sua aceitação para publicação (eventualmente condicionada a modificações que visam melhorar a clareza ou precisão do texto) ou o rejeitam. Os autores serão notificados sobre as decisões ao longo do processo e informados sobre a data em que os artigos aceitos serão publicados ou sobre sua rejeição. A cada passo, os autores receberão cópias não identificadas dos pareceres dos consultores. O Conselho Editorial reserva-se o direito de fazer pequenas modificações no texto dos autores para agilizar o processo de submissão ou publicação dos manuscritos.

 

Periodicidade

O manuscrito deve ser digitado em Times New Roman, tamanho 12, espaçamento duplo. Deve apresentar em torno de (25) vinte e cinco laudas, com todas as margens de 2,0 e numeradas. Qualquer situação não contemplada nestas Normas deve seguir o indicado no American Psychological Association (2010). Publication Manual of the American Psychological Association (6th Ed.). Washington, DC. As submissões que não estiverem inteiramente de acordo com as normas serão arquivadas e os autores notificados.
A apresentação dos manuscritos deve seguir a seguinte ordem, em páginas separadas:

I. Folha de rosto identificada (carregar como documento suplementar)

1. Título em português, inglês e espanhol (máximo de quinze palavras);
2. Título abreviado para cabeçalho (máximo de cinco palavras);
3. Nome de cada um dos autores, seguido da afiliação institucional de cada um (Departamento, Instituição, Cidade, Estado, País);
4. Endereço completo de todos os autores para correspondência com o Corpo Editorial (telefone, fax e e-mail do autor).
5. Indicação das fontes de financiamento, quando houver.

II. Folha de rosto sem identificação (página 1)

1. Título em português, inglês e espanhol;
2. Título abreviado para cabeçalho.

III. Resumos (página 2)

1. Resumo, em português (de 150 a 200 palavras);
2. Palavras-chave, em português (de 3 a 5);
3. Abstract em inglês (tradução do resumo);
4. Keywords (tradução das palavras-chave).
5. Resumen em espanhol (de 150 a 200 palavras);
6. Palabras-clave em espanhol (de 3 a 5);

IV. Texto (página 3 e seguintes)

Esta parte do manuscrito deve começar em nova página, numerada como página três (3), com o título centrado no topo da mesma. Cada página subsequente deve ser numerada. Não inicie uma nova página a cada subtítulo. Separe-os usando uma linha em branco. Apenas a primeira letra do título/subtítulo e nomes próprios devem estar em maiúscula. No caso de itens dentro de um mesmo subtítulo, utilize o formato itálico para identificá-lo.

Quando o artigo for um relato de pesquisa, o texto deverá apresentar, além das páginas de Rosto e Resumos, Introdução, Metodologia, Resultados, Discussão e Referências. Se necessário, outros subtítulos podem ser acrescentados. Em alguns, pode ser conveniente apresentar resultados e discussão juntos, embora essa estratégia não seja recomendável como regra geral.

Utilize o mínimo de notas. Quando realmente indispensáveis, devem ser indicadas por algarismos arábicos no texto e listadas, após as referências, em página separada, intitulada “Notas”.

Informe, no texto, a inserção de figuras e tabelas, que deverão ser apresentadas em anexo.
Observe as normas de citação, dando crédito aos autores e as datas de publicação dos estudos referidos. A citação literal de um texto vem entre aspas duplas e exige a referência ao número da página do trabalho de onde foi copiada. Todos os nomes de autores cujos trabalhos forem citados devem ser seguidos da data de publicação na primeira vez em que forem citados em cada parágrafo. Todas as citações secundárias devem informar as referências originais. Evite utilizar citações secundárias, especialmente quando o original pode ser recuperado com facilidade. Não utilize ibid., idem, op. cit..

V. Referências

Não inicie uma nova página para a seção de Referências. Não numere as referências. Utilize espaço duplo também nesta seção, não deixe um espaço extra entre citações e não utilize recuos. As referências devem ser citadas em ordem alfabética, pelo último nome do autor. Cada uma das referências deve aparecer como um novo parágrafo (sem recuo) e os sobrenomes devem estar em minúsculas (com exceção da inicial).

VI. Anexos

Os anexos devem ser apresentados em nova página após as referências, numerada consecutivamente, em espaço duplo. Use anexos somente se isso for realmente imprescindível para a compreensão do texto. Figuras e tabelas devem ser apresentadas com as respectivas legendas e títulos, uma em cada página. As figuras e tabelas não poderão exceder 11 X 17,5 cm.

VII. Citações e referências

As citações com até 40 palavras devem vir no corpo do texto, entre aspas, sem itálico. As citações com mais de 40 palavras devem vir em novo parágrafo, com espaçamento simples, fonte tamanho 11 e com recuo de 3,75 da margem esquerda.

1. Artigo de autoria múltipla:

a) Artigo com dois autores: cite os dois sobrenomes sempre que o artigo for referido;
b) Artigo com três a cinco autores: cite todos os autores na primeira vez que mencioná-lo; daí em diante utilize o sobrenome do primeiro autor seguido de et al., da data e n° da página;
c) Artigo com seis ou mais autores: cite apenas o sobrenome do primeiro autor, seguido de et al.da data e n° da página. Porém, na seção de Referências, todos os nomes dos autores deverão ser relacionados.

2. Obras antigas e reeditadas:

Utilize o formato “Autor (data de publicação original/data de publicação consultada e n° da página)”. Por exemplo: Freud (1912/1969, p.154). Caso haja outras citações ou referências de outros textos da mesma publicação consultada, diferencie com letras minúsculas. Por exemplo, Freud (1939/1969a) e assim sucessivamente.

3. Citação ou referência secundária:

Trata-se da citação de um artigo discutido em outra obra consultada, sem que o original tenha sido utilizado. Por exemplo: Selye (1936, citado por Lipp, 2001). Na seção de referências, citar apenas a obra consultada (no caso, Lipp, 2001).

Exemplos de referências

1. Artigo em periódico científico:

Féres-Carneiro, T. F. (2008). Pesquisa e prática clínica: construindo articulações. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(3), 349-355 (Se a revista científica for paginada por fascículo, incluir o número do fascículo, entre parênteses, sem sublinhar, após o número do volume)

2. Artigo de revista científica no prelo:

Indicar no lugar da data que o artigo está no prelo. Incluir o nome do periódico em itálico, após o título do artigo. Não referir data e números do volume, fascículo ou páginas até que o artigo seja publicado.

3.Livros:

Rodrigues, A., Assmar, E. L. & Jablonski, B. (2009). Psicologia Social,Petrópolis: Vozes.

4. Capítulos de livro:

Levy, L. (2009). Terapia de casal e questões contemporâneas. In: I. C. Gomes (org.). Clínica psicanalítica de casal e família: a interface com os estudos psicossociais (pp. 25-31). São Paulo: Livraria Santos Editora.

5. Trabalho apresentado em Congresso, mas não publicado:

Landeira-Fernandez, J. (2008 e mês). Different patterns of defensive freezing response associated with different anxiety disorders. XIII Congresso Colombiano de Psicologia, Bogotá, Colombia.

6. Trabalho apresentado em Congresso com resumo publicado em anais:

Rudge, A. M. (2000). Pressupostos da “nova” crítica à psicanálise. [Resumo]. In: Sociedade Brasileira de Psicologia (org.). Psicologia no Brasil: diversidade e desafios, XXX Reunião Anual de Psicologia (p. 27). Brasília: Universidade de Brasília.

7. Teses ou dissertações:

Serra, D. C. G. (2008). Entre a esperança e o limite: um estudo sobre a inclusão de alunos com autismo em classes regulares. (Tese de Doutorado. Curso de Pós-graduação em Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ).

8. Obra antiga e reeditada:

Piaget, J. (1965). Le jugement moral chez l’enfant. Paris: Z. Alcan. (Trabalho original publicado em 1932)

Freud, S. (1995a). Dois princípios do funcionamento mental. In: S. Freud. Obras completas de S. Freud, vol. X. Madrid: Biblioteca Nueva (Trabalho original publicado em 1911).

9. Autoria Institucional:

American Psychological Association (2002). Publication manual (5ª ed.). Washington, DC: Autor.

10. Comunicação pessoal:

Cite apenas no texto, dando o sobrenome e as iniciais do emissor e a data e identifique como comunicação pessoal. Não inclua nas referências.

11. Documentos em meio eletrônico:

Kawasaki, J. L., & Raven, M.R. (1995). Computer-administered surveys inextension. Journal of Extension, 33, 252-255. Recuperado em 2 junho, 1999, de http://joe.org/joe/index.htm.