Sofrimento Psíquico e uso de Psicofármacos entre Estudantes de Pós-Graduação

Autores

  • Ticiana Universidade Federal do Paraná
  • Elaine Cristina Universidade Federal do Paraná
  • Samantha de Toledo Martins Boehs Universidade Federal do Paraná e Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.26823/nufen.v13i2.22445

Palavras-chave:

Estudantes, pós-graduação, saúde mental, sofrimento psíquico

Resumo

Atualmente constata-se um número significativo de alunos de pós-graduação que sofrem ou adoecem psiquicamente e procuram ajuda psicológica e psiquiátrica enquanto cursam programas de mestrado e doutorado. Para compreender os elementos presentes nesse processo e auxiliar a construção de intervenções, foi realizado um estudo qualitativo-descritivo e exploratório em uma universidade pública brasileira com o objetivo de investigar o sofrimento psíquico em estudantes de pós graduação strictu sensu considerando as relações das condições e exigências da produção acadêmica com o uso de psicofármacos. Os resultados encontrados foram apresentados em duas perspectivas: relações de trabalho; sofrimento psíquico e uso de medicação. Identifica-se o uso de psicofármacos como uma das estratégias criadas pelos estudantes para lidarem com o sofrimento e adoecimento. Destaca-se a necessidade de ampliação e fortalecimento de políticas e dispositivos de atenção à saúde mental nas universidades voltadas a esse grupo.

Biografia do Autor

Ticiana, Universidade Federal do Paraná

Psicóloga, formada pela Universidade Federal do Paraná

Elaine Cristina, Universidade Federal do Paraná

Docente do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Parana   Doutora em Educação pela UFPR

Samantha de Toledo Martins Boehs, Universidade Federal do Paraná e Universidade Federal de Santa Catarina

Docente do Departamento de Administração Geral e Aplicada da Universidade Federal do Paraná. Mestre em Administração pela UFPR e Doutoranda em Psicologia na Universidade Federal de Santa Catarina, área de concentração Psicologia das Organizações e do Trabalho.

Referências

Abel, M. C. (2003). O insight na psicanálise. Psicologia: ciência e profissão, 23 (4), 22-31.

Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932003000400005&lng=pt&tlng=pt.

Aguiar, M. P. & Ortega, Francisco J. G. (2017) Psiquiatria Biológica e Psicofarmacologia: a

formação de uma rede tecnocientífica. Physis, Rio de Janeiro, v. 27, n. 4, pp. 889-910, doi.org/10.1590/s0103-73312017000400003.

Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais DSM-5. (2014). American

Psychiatric Association. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed.

Balbachevsky, E. (2005) A pós-graduação no Brasil: novos desafios para uma política bem-

sucedida. In: Brock. C.; Schwartzman, S. Os desafios da educação no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Ball, S. J. (2001) Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação.

Currículo sem fronteiras, v. 1, n. 2, p. 99-116, jul./dez. 2001. Recuperado de http://curriculosemfronteiras.org

Ball, S. J. (2005). Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de

Pesquisa, 35(126), 539-564. https://doi.org/10.1590/S0100-15742005000300002

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Benini, I. S. P. (2015) A experiência subjetiva do uso de psicotrópicos na perspectiva de

pessoas com o diagnóstico de esquizofrenia (Dissertação mestre). Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Benini, I. S. P., & Leal, E. M. (2016). A experiência subjetiva do uso de psicotrópicos na

perspectiva de pessoas com diagnóstico de esquizofrenia. Revista Latinoamericana

de Psicopatologia Fundamental, v. 19, n. 1, pp. 30-42. https://doi.org/10.1590/1415-

2016v19n1p30.3.

Boehs, S. T. M. (2020). Carreira e saúde mental na pós-graduação: possibilidade de

Intervenção. In M. C. P. Lassance & R. A. M. Ambiel (Eds.), Desafios e oportunidades atuais do trabalho e da carreira (pp. 233-237), ABOP, Campinas, SP. Recuperado de: https://abopbrasil.org.br/wp-content/uploads/2020/10/ABOP_2020_v3.pdf

Caponi, S. (2009). Biopolítica e medicalização dos anormais. Physis: Revista de Saúde

Coletiva, v. 19, n. 2, pp. 529-549. doi: 10.1590/S0103-73312009000200016.

Cavalcante, D. M., & Cabral, B. E. B. (2017). Uso de medicamentos psicotrópicos e

repercussões existenciais para usuários de um CAPS II. Estudos de Psicologia (Natal), 22(3), 293-304. doi: .22491/1678-4669.20170030

Ceccarelli, P. (2005). O sofrimento psíquico na perspectiva da psicopatologia fundamental.

Psicologia em Estudo, v. 10, n. 3, pp. 471-477. https://doi.org/10.1590/S1413-73722005000300015.

Cerchiari, E. A. N., Caetano, D., & Faccenda, O. (2005). Prevalência de transtornos mentais

menores em estudantes universitários. Estudos de Psicologia (Natal), v.10, n. 3, pp.

-420. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2005000300010.

Chagas, J. C. & Pedroza, R. L. S. (2016). Patologização e Medicalização da Educação

Superior. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(spe). doi: 10.1590/0102-3772e32ne28.

Costa, E. G. & Nebel, L. (2018). O quanto vale a dor? Estudo sobre a saúde mental de

estudantes de pós-graduação no Brasil. Polis, v. 17, n. 50, pp. 207-227. http://dx.doi.org/10.4067/S0718-65682018000200207.

Darriba, V. (2018) O iluminado do neoliberalismo e a expansão da lógica da

avaliação no campo da clínica. In: Darriba, V. & Feijoo, A.M.L.C. 50 anos de psicologia na UERJ – Psicologia clínica e psicanálise. Rio de Janeiro: Letra Capital.

Ehrenberg, A. (2010). O culto da performance: da aventura empreendedora à depressão

nervosa. Aparecida: Ideias & Letras.

Ferrarini, N.L. (2017) Universidade: uma leitura sem culpa. Olhar caleidoscópico sobre a

formação do psicólogo. In: Pan, M.A.G.S; Albanese, L. & Ferrarini, N.L. Psicologia e Educação Superior. Curitiba: Juruá.

Glina, D. M. R., & Rocha, L. E. (2010). Saúde mental no trabalho: da teoria à prática. São

Paulo: Roca.

Gradella Júnior, O. (2010). Sofrimento psíquico e trabalho intelectual. Cadernos De

Psicologia Social Do Trabalho, v. 13, n. 1, pp. 133-148. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v13i1p133-148

Graner, K. M., & Cerqueira, A. T. A. R. (2019). Revisão integrativa: sofrimento psíquico em

estudantes universitários e fatores associados. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, n. 4,

pp. 1327-134. https://doi.org/10.1590/1413-81232018244.09692017.

Louzada, R. C. R., & Silva Filho, J. F. da. (2005). Formação do pesquisador e sofrimento

mental: um estudo de caso. Psicologia em Estudo, v. 10, n. 3, pp. 451-461. doi:

1590/S1413-73722005000300013.

Maluf, S. W. (2009). Sofrimento, “saúde mental” e medicamentos: regimes de subjetivação e

tecnologias de gênero. In: Leituras de resistência, corpo, violência e poder. Florianópolis: Editoras Mulheres.

Martins, C. B. (2018). As origens pós-graduação nacional (1960-1980). Revista Brasileira de

Sociologia, v. 6, n. 13, pp. 9-26 http://dx.doi.org/10.20336/rbs.256.

Maurente, V. S. (2019). Neoliberalismo, ética e produtividade acadêmica: subjetivação e

resistência em programas de pós-graduação brasileiros. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 23 2019. doi: 10.1590/interface.180734.

Mendes, C. S. A. (2008). Recovery e medicação: Perspectivas e percepções de indivíduos

com experiência de doença mental (Dissertação mestre). Instituto Superior de Psicologia Aplicada.

Mendes, V. R. & Iora, J. A. (2014). A opinião dos estudantes sobre as exigências da

produção na pós-graduação. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v.36, n.1, pp.

-187. doi: 10.1590/S0101-32892014000100012.

Moreira, A. F. (2009). A cultura da performatividade e a avaliação da Pós-Graduação em

Educação no Brasil. Educação em Revista, v. 25, n. 3, pp. 23-42. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-46982009000300003

Pinzón, J. H. (2019). Salud mental en estudiantes de posgrado em Brasil:

relaciones com sobrecarga de trabajo. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. RS. Brasil.

Ragnini, E. C. S. (2014) Saúde mental no trabalho – sujeito, sintoma e clínica: por uma

incidência do discurso psicanalítico no campo da saúde do trabalhador. Tese

(doutorado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Rohm, R. H. D. & Lopes, N. F. (2015). O novo sentido do trabalho para o sujeito pós-

moderno: uma abordagem crítica. Cadernos EBAPE.BR, v. 13, n. 2, pp. 332-345.

https://doi.org/10.1590/1679-395117179

Santos, C. M. dos. (2003). Tradições e contradições da pós-graduação no Brasil. Educação

& Sociedade, v. 24, n. 83, 627-641. https://doi.org/10.1590/S0101-73302003000200016.

Santos, K. Y. P. dos. (2014) Feliz para sempre?:Uma análise dos efeitos do uso a longo

prazo de antidepressivos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. (Coleção PROPG

Digital- UNESP). Recuperado de <http://hdl.handle.net/11449/126223>.

Santos, K. Y. P. dos; YASUI, S. & DIONÍSIO, G. H. (2012) O sujeito-comprimido. Cadernos

Brasileiros de Saúde Mental, Florianópolis v. 4, n. 9, pp. 103-112. Recuperado de

https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/68694.

Silva, R. H. R. (2013) Tendências teórico-filosóficas das teses em educação especial

desenvolvidas nos cursos de doutorado em educação e educação física do Estado de

São Paulo (1985-2009). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. Recuperado de: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/250799.

Shigaki, H. B., & Patrus, R. (2016). Revisão por pares e produtivismo acadêmico sob a ótica

de avaliadores de artigos de periódicos em Administração. RBPG. Revista Brasileira

de Pós Graduação, 13(31). https://doi.org/10.21713/2358-2332.2016.v13.960

Silva, T. C., & Bardagi, M. P. (2016). O aluno de pós-graduação stricto sensu no Brasil:

revisão da literatura dos últimos 20 anos. Revista Brasileira De Pós-Graduação, v.

, n. 29. doi: 10.21713/2358-2332.2015.v12.853.

Silva Junior, N. da. (2018). O mal-estar no sofrimento e a necessidade de sua revisão pela

psicanálise. In: Saflate, V.; Silva Júnior, N. da; Dunker, C. (Ed.) Patologias do social:

arqueologias do sofrimento psíquico. Belo Horizonte: Autêntica.

Zanella, M.; Luz H. H. V.; Benetti, I. C., & Roberti Júnior, J. P. (2016). Medicalização e saúde

mental: Estratégias alternativas. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde

Mental, v. 15, pp. 53-62. doi: 10.19131/rpesm.0132.

Downloads

Publicado

2021-08-10

Como Citar

SPYRA DRUMMOND DOS REIS, T. ., Ragnini, E. ., & Boehs, S. de T. M. (2021). Sofrimento Psíquico e uso de Psicofármacos entre Estudantes de Pós-Graduação. REVISTA DO NUFEN: PHENOMENOLOGY AND INTERDISCIPLINARITY, 13(2). https://doi.org/10.26823/nufen.v13i2.22445

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.