Autoeficácia e vivências acadêmicas de universitários cotistas e não cotistas

Autores

  • Heloiza de Sousa Universidade Federal de Santa Catarina UFSC
  • Marucia Patta Bardagi Universidade Federal de Santa Catarina
  • Carlos Henrique Sanscineto da Silva Nunes Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

Autoeficácia, Cotas, Integração acadêmica, Ensino Superior

Resumo

<!-- @page { margin: 2cm } P { margin-bottom: 0.21cm } -->

Este estudo investigou a autoeficácia na formação superior e as vivências acadêmicas de estudantes cotistas e não cotistas da Universidade Federal de Santa Catarina. Participaram 204 estudantes (66,7% mulheres e 73,5% cotistas), com idade média de 22,6 anos. Os cotistas apresentaram média mais baixa do que os demais na dimensão Interpessoal das vivências acadêmicas, e mais alta nas dimensões Pessoal e Institucional, sem diferenças na autoeficácia. A dificuldade dos cotistas nas relações interpessoais talvez seja função do preconceito e da desconfiança que o sistema de cotas enfrenta no Brasil. Nesse sentido, os serviços universitários podem trabalhar auxiliando na integração acadêmica dos muitos alunos que formam o ensino superior brasileiro, preparando-os para uma vivência globalizada.

Biografia do Autor

Marucia Patta Bardagi, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora Adjunta

Publicado

2016-09-13

Como Citar

de Sousa, H., Bardagi, M. P., & Nunes, C. H. S. da S. (2016). Autoeficácia e vivências acadêmicas de universitários cotistas e não cotistas. Avaliação Psicológica, 12(2). Recuperado de https://submission-pepsic.scielo.br/index.php/avp/article/view/8207

Edição

Seção

Estudo Teórico

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)